10/05/2024 às 12h21min - Atualizada em 11/05/2024 às 00h01min

Eventos extremos: a situação vivenciada no Rio Grande do Sul

Artigo escrito pela Dra. Renata Franco, Direito Ambiental e Regulatório

AMZ COMUNICAçãO
Reprodução
As fortes e constantes chuvas que recaíram sobre o Rio Grande do Sul resultaram no que vêm sendo considerado o maior desastre climático do estado.

No último século, o aumento das emissões de gases do efeito estufa — consequência do uso de combustíveis fósseis, do desmatamento de matas e florestas além de outras ações antropogênicas — levou a um aumento de mais de 1,07ºC em na temperatura média do planeta.

Este aquecimento, no entanto, não foi homogêneo: acabou por se concentrar com mais intensidade no Equador, enquanto os polos se mantiveram frios.

Essa diferença de temperatura entre o Equador e a Antártica acaba por impulsionar a força dos ventos e, por consequência, o aparecimento de tempestades.

E o sul do país, pelas características geográficas, vem sofrendo com esses extremos nos últimos anos.
No caso específico de Porto Alegre, a ausência de uma significativa inclinação do relevo dificulta o escoamento de água em uma região em que se tem, também, uma convergência natural das águas.

Além disso, de um lado tem-se a Cordilheira dos Andes e do outro o Oceano Atlântico. Assim, os ventos que cruzam o continente de oeste a leste, por cima dos Andes, ganham velocidade na bacia do Rio da Prata. E essa intensa circulação atmosférica acaba por impulsionar tempestades severas.

Somando-se esses dois fatores (relevo e ventos atmosféricos), acrescentando o aquecimento global e uma “natural” deficiência de drenagem nos centros urbanos por ausência de investimento das prefeituras, temos a situação vivenciada no Rio Grande do Sul.

Segundo dados de 2017 do governo do Rio Grande do Sul, 79,1% da população gaúcha vive em cidades que não possuem nenhum tipo de planejamento para prevenir os riscos de inundações, enchentes, enxurradas e deslizamentos.
Mais do que discutir os eventos extremos temos que repensar a vulnerabilidade de nossas cidades e trabalhar para que sejam mais resilientes.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalamanhecer.com.br/.