14/06/2023 às 12h25min - Atualizada em 16/06/2023 às 00h00min

Fórum Animal faz projeção em prédio de São Paulo contra a exportação de animais vivos

Ação ocorre às 19h desta quarta (14/06) em edifício de 20 andares ao lado da Praça Roosevelt e da Rua da Consolação, para marcar o Dia Mundial pelo Fim da Exportação de Animais Vivos

SALA DA NOTÍCIA Valle da Mídia
O Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal (Fórum Animal) realiza nesta quarta-feira, dia 14 de junho, uma grande ação para chamar a atenção da sociedade brasileira para a urgência de acabar com a exportação de animais vivos, como vacas e bois. Esta é uma prática cruel, que é alvo de sentença pedindo sua proibição expedida pela Justiça Federal em abril de 2023.

Um vídeo com imagens e mensagens pedindo o fim da prática nefasta de exportação de animais vivos será projetado na parede de um edifício de 20 andares, ao lado da Praça Roosevelt, na rua João Guimarães Rosa, número 183. A projeção acontece entre 19h e 20h.

Especialistas destacam que, na exportação de animais pela via marítima (o meio mais comum de venda de animais vivos para o exterior), o transporte é quase sempre realizado em embarcações antigas, improvisadas e com superlotação de animais.

"As condições de higiene e de assistência veterinária são insuficientes para o número de animais", afirma a coordenadora veterinária do Fórum Animal, Haiuly Viana.

A prática não envolve apenas danos aos animais. "No Brasil, a prática também está ligada a problemas sociais, como animais obtidos de fazendas envolvidas em desmatamento ilegal e até mesmo com trabalho análogo à escravidão."

Trabalho escravo e sofrimento animal
A existência do trabalho escravo rural e sua associação com a exportação de animais vivos é patente. Uma investigação da Repórter Brasil de 2021 apontou que três das maiores empresas exportadoras de gado vivo no país acumulavam denúncias de sofrimento animal, além de venderem para outros países animais provenientes de fazendas desmatadas ou que haviam sido autuadas por trabalho escravo.

"Acabar com a exportação de animais vivos do Brasil é importante por várias razões. É fundamental para promover o bem-estar animal, evitando o sofrimento causado pelo transporte e as condições precárias de manejo. Também contribui para preservar o meio ambiente, pois os animais mortos no trajeto são jogados ao mar", afirma a presidente do Fórum Animal, Elizabeth MacGregor.

MacGregor pondera também que esta postura beneficiaria o Brasil diante de outros países. "Abandonar a venda de animais vivos fortalece a imagem do Brasil no cenário internacional, mostrando comprometimento com práticas mais éticas e sustentáveis", diz ela.

Decisão judicial
O juiz ​​Djalma Moreira Gomes, da 25a Vara Cível Federal de São Paulo, considerou procedente uma ação civil pública movida pelo Fórum Animal pedindo a proibição da exportação de animais vivos em todos os portos do país (leia mais na reportagem).

No entanto, a sentença do juiz precisa ainda ser analisada pelo Tribunal Regional Federal da 3a Região para ser definitivamente implementada no Brasil. Não há prazo para que essa análise aconteça.

Exportação crescente
Todos os anos, milhares de animais são exportados para destinos como o Oriente Médio. Em 2017, o Brasil chegou a vender 460 mil bois e vacas vivos, número que cresceu para 693 mil em 2018, segundo informações da Abreav (Associação Brasileira de Exportadores de Animais Vivos).

Houve recuo desta prática de exportação de animais durante a pandemia de Covid-19, além de reação a ações na Justiça movidas por ONGs e grupos ativistas, como o Fórum Animal. Porém, a exportação de animais vivos ganhou novo fôlego nos últimos tempos - só o Pará, um dos estados que mais exporta animais vivos do Brasil, embarcou 116 mil bois e vacas em 2022, de acordo com a Faepa (Federação da Agricultura e Pecuária do Pará).

Estimativas da organização internacional CIWF (Compassion in World Farming) apontam que a América do Sul exportou mais de 520 mil animais vivos apenas para o Oriente Médio em 2021. Desses, grande parte teve origem no Brasil.

Dia Mundial
No último Dia Mundial pelo Fim da Exportação de Animais Vivos, em 2022, a CIWF obteve apoio de 140 entidades e organizações ativistas em defesa dos animais, espalhadas por 45 países, incluindo o Fórum Animal. Seguimos com esta atuação coordenada em 2023.

Nossa ação utiliza as hashtags #FimDaExportaçãoDeAnimaisVivos e #BanLiveExports para propagar a mensagem pelo fim da exportação de animais vivos.

Sobre a entidade:

O Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal (Fórum Animal) é uma organização fundada há 23 anos visando reunir ativistas e fortalecer ações para a proteção de todas as espécies animais. Construiu uma rede de apoio a outras ONGs por todo o país, com mais de 100 organizações afiliadas que atuam pela defesa do meio ambiente e a proteção animal, prestando apoio técnico e lutando pelo reconhecimento da senciência e dignidade animal. É formada por uma equipe multidisciplinar, incluindo médicos-veterinários, pesquisadores, especialistas em marketing, comunicação, gestão de projetos, advogados e biólogos. Com a missão de proteger os animais em todo o país, sem distinção de espécie, trabalhando para que eles sejam respeitados como seres sencientes, e lutando para reconhecer a dignidade animal. 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalamanhecer.com.br/.