10/01/2024 às 11h53min - Atualizada em 12/01/2024 às 10h56min

Transplante de córnea em bebês e crianças: conheça os desafios na prevenção e cuidados no pós-operatório

Cerca de 90% das córneas doadas são aceitáveis e a taxa de êxito das cirurgias também é alta, sendo que os doadores não se limitam aos pequenos, podendo ser adultos ou até mesmo idosos

Target Estratégia em Comunicação
H.Olhos - Hospital de Olhos, da Rede Vision One
Divulgação - Imagem Freepik

O Brasil tem cerca de 27 mil crianças cegas, sendo que 40% delas ficaram assim por conta de condições oculares que poderiam ter sido evitadas ou tratadas se tivessem recebido acesso a serviços oftalmológicos precocemente, afirma o Dr. Luiz Brito, chefe do Setor de Córnea do H.Olhos - Hospital de Olhos, da rede Vision One, com base em informações do relatório As Condições de Saúde Ocular no Brasil - 2023, do Conselho Brasileiro de Oftalmologia com dados do IBGE. Mundialmente, esse número é muito maior: 500 mil crianças ficam cegas anualmente, sendo que 50% destes casos poderiam ser evitados, informa a Organização Mundial de Saúde (OMS). 

O médico explica que o transplante de córnea acaba sendo uma solução eficaz para devolver a visão à grande parte dos pequenos, mas, embora considerada segura, a cirurgia em bebês e crianças gera desafios diferentes. 

“Sua necessidade já se observa nos primeiros dias ou meses de vida, com uma córnea de cor azulada ou branca. Porém, para a detecção precoce de problemas visuais em bebês, o teste do reflexo vermelho, também conhecido como Teste do Olhinho, deve ser realizado em todos os recém-nascidos ainda na maternidade. Não importa se particular ou da rede pública, trata-se de um direito da criança para a detecção das patologias”, diz o Dr. Luiz Brito.

Os olhos de bebês e de crianças são significativamente menores do que os de adultos, o que torna a seleção e adaptação da córnea doadora um desafio, explica Dr. Luiz. Fora isso, existe a própria característica mais inquieta dos pequenos: as chances de problemas podem ser maiores que em adultos, por causa da possibilidade de traumas e maior chance de rejeição. 

Outro fator a ser considerado é a limitação na comunicação verbal e a resposta limitada a testes oftalmológicos: “Outros fatores devem ser levados em conta, como o sistema imunológico em desenvolvimento dos bebês, que pode rejeitar o enxerto corneano. Portanto, o uso de medicamentos deve ser cuidadosamente ajustado para evitar complicações”, diz o médico.

Cirurgia é segura 
A boa notícia é que, apesar dos grandes cuidados exigidos, aproximadamente 90% das córneas doadas são aceitáveis para transplante e a taxa de êxito dos procedimentos também fica acima de 90%; sendo que os doadores não se limitam a outros bebês e crianças, podendo as córneas serem uma doação de adultos ou até mesmo de idosos. 

O tempo de espera na fila também diminui, “já que crianças abaixo de 7 anos são priorizadas na doação de córnea”, diz o médico. 

Dr. Luiz também explica que, após a cirurgia, a criança deve ser monitorada de perto para verificar a rejeição e quaisquer complicações, e que, em bebês, o controle no pós-operatório deve ser feito todas as semanas e durante 60 dias. Também são introduzidos medicamentos que controlam a imunidade, a fim de diminuir a rejeição. 

Outro cuidado no pós é a correção com óculos ou até lente de contato para estimular o desenvolvimento da visão que acontece nos primeiros anos de vida. 

A recuperação do transplante de córnea em bebês, porém, pode ser mais demorada do que em adulto e, neste processo, a avaliação frequente é necessária para ajudar a criança a se adaptar à nova córnea e a desenvolver a visão. Além disso, exames oftalmológicos regulares são essenciais para garantir o sucesso do procedimento a longo prazo.


Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalamanhecer.com.br/.