08/09/2023 às 11h33min - Atualizada em 11/09/2023 às 00h00min

Departamentos jurídicos aplicam métodos de gestão de negócios e ferramentas de tecnologia para aprimorar resultados das empresas

Um case de sucesso é a Emccamp Residencial, que implantou o ciclo PDCA (Plan, Do, Check e Act) e GPD (Gestão por Diretrizes) em seu departamento jurídico, que alinhou seus indicadores e resultados às metas globais da companhia

Interface Comunicação
Divulgação

Ter habilidades em gestão de negócios, competências socioemocionais e em e tecnologia são recursos essenciais para modernizar e aprimorar a prática jurídica. Isso foi comprovado por um estudo realizado pelo Centro de Ensino e Pesquisa em Inovação da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (Cepi/FGV Direito SP), divulgado no final de agosto.

O levantamento foi realizado com 400 bancas de advocacia de todos os portes atuantes em diferentes regiões do país. A pesquisa mostra que, entre as habilidades mais importantes para um advogado, por ordem de prioridade, 39% dos entrevistados responderam que a formação jurídica ainda fica em primeiro lugar. Um total de 26% escolheu competências em gestão como uma das mais importantes, 20% consideraram mais relevantes as habilidades socioemocionais e, por fim, 15% apontaram “conhecimentos tecnológicos”.

Os dados foram coletados entre setembro e novembro de 2022. Segundo Marina Feferbaum, coordenadora do Centro de Ensino e Pesquisa em Inovação e da área de Metodologia de Ensino da Faculdade de Direito da FGV, é importante o advogado trabalhar de modo interdisciplinar. “A advocacia não é mais a mesma depois dos litígios de massa ou de áreas de atuação cada vez mais relacionadas com outras áreas do conhecimento. Hoje, o que se destaca no mercado é um modelo de advogado delta. Ou seja, um profissional que conhece ferramentas para gerir o trabalho, entende de negócio, conhece o segmento de atuação e o business da empresa. Isso o torna muito mais preparado para entender os impactos que uma decisão jurídica pode ter e até a definir estratégias para evitar uma judicialização”, avalia.

A Emccamp Residencial, incorporadora com atuação em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, possui um case de sucesso que comprova que as habilidades de gestão e tecnologia podem auxiliar na prevenção de conflitos e riscos judiciais. O departamento jurídico da companhia introduziu metodologias do ciclo PDCA (Plan, Do, Check e Act) e de GPD (Gestão por Diretrizes), que trouxeram resultados expressivos para os negócios da empresa. “A aplicação de tais métodos no Departamento Jurídico da Emccamp Residencial permitiu que seu time de advogados, seus processos internos e sistemas de tecnologia jurídica fossem alinhados ao ciclo do negócio imobiliário, impactando positivamente na qualidade dos serviços prestados e nos resultados da Companhia”, explica Felipe Amarante Boaventura, diretor jurídico da companhia.

Ele ressalta que a estratégia permitiu reduzir, substancialmente, o prazo de atendimento das demandas internas da companhia, bem como as contingências e despesas judiciais. “Foram, aproximadamente, 7 mil atendimentos jurídicos realizados pelo time de advogados da empresa, em 2022. Além disso, a adoção de processos internos sistematizados tem permitido maior racionalização na condução de casos judiciais da empresa, resultando em uma redução substancial no valor global das despesas judiciais e na adoção de métodos alternativos de solução de conflitos”, pontua.

Felipe destaca que o Brasil é um dos países com a maior taxa de judicialização do mundo. “O custo com processos judiciais para o governo e para as empresas me parece insustentável. Acredito que a racionalização dos processos internos, mediante o uso de gestão e tecnologia, são alternativas necessárias para a prevenção de conflitos e riscos judiciais. É importante que os advogados apoiem as atividades econômicas e tenham uma visão de negócios, prevenindo e solucionando extrajudicialmente eventuais conflitos. Essa visão tem sido enfatizada e trabalhada há muitos anos pela alta direção da companhia, especialmente pelo nosso vice-presidente Administrativo, Eduardo Filho, que sempre direcionou as lideranças a aplicar métodos de gestão, mesmo em áreas que entregam serviços essencialmente intelectuais, como o Jurídico.”

O case da Emccamp foi destaque no 6º Congresso do Ibradim (Instituto Brasileiro de Direito Imobiliário) realizado nos dias 24 e 25 de agosto, em São Paulo. O evento contou com a participação de quase 2 mil profissionais do mercado imobiliário. Felipe ressalta que “o evento reuniu as principais mentes do segmento, aqueles que pensam, aplicam e aprimoram o direito imobiliário no país”. Segundo André Abelha, presidente do Ibradim, a visão de negócios é uma das competências essenciais do advogado imobiliário. “Por isso, o instituto entendeu a importância de ter este debate no congresso deste ano, pois o profissional jurídico precisa compreender tanto sua função no tratamento e prevenção dos conflitos, quanto na estruturação racional dos negócios imobiliários”, pontua.


Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalamanhecer.com.br/.