13/07/2023 às 16h44min - Atualizada em 16/07/2023 às 00h00min

Vale assina parceria com Wabtec para desenvolvimento de estudos de combustíveis alternativos e compra de três locomotivas elétricas FLXdrive

Equipamentos formarão primeira composição híbrida do país, com locomotivas elétricas a bateria e diesel-elétricas; objetivo é, no futuro, usar amônia no lugar do diesel e, assim, zerar emissões de carbono na ferrovia

AllMoving
Divulgação

A Vale e a Wabtec Corporation (NYSE: WAB) anunciaram, a primeira parceria para avançar na descarbonização das operações ferroviárias da empresa. O acordo inclui um pedido de três locomotivas a bateria FLXdrive e o desenvolvimento de estudos de um motor a amônia como combustível alternativo ao diesel. As três
locomotivas serão usadas na Estrada de Ferro Carajás (EFC), onde circula o maior trem de transporte de minério de ferro do mundo, com 330 vagões que transportam 45 mil toneladas de minério de ferro. A composição é puxada por três ou quatro locomotivas movidas a diesel.

A ideia é acoplar as três locomotivas elétricas ao atual trem para puxar a composição ao longo da EFC e, principalmente em um trecho de aclive de cerca de 140 quilômetros, em Açailândia (MA), onde o consumo de combustível é mais elevado, formando a primeira composição ferroviária híbrida do país. Hoje, dois equipamentos a diesel, conhecidos como “helper dinâmicos”, são anexadas ao trem para ajudar a vencer a longa rampa da estrada de ferro. A Wabtec fabricará as locomotivas em sua unidade em Contagem (MG) e a previsão de entrega é 2026.

“Inicialmente, estamos maximizando a eficiência energética, substituindo as locomotivas a diesel do helper dinâmico por elétricas, mas a ideia é que, no futuro, as outras locomotivas do trem possam ser abastecidas por amônia. Assim, teríamos uma operação limpa na EFC”, explica a diretora de Energia da Vale, Ludmila Nascimento. “Esse acordo é o primeiro de outros que estamos buscando para acelerar a descarbonização da nossa operação ferroviária”, acrescenta. Hoje, a malha ferroviária da Vale representa 10% das emissões de carbono da empresa, que já anunciou
meta de ser tornar carbono zero em 2050.

A Vale e a Wabtec estão avaliando o desenvolvimento de um motor a amônia, que não emite CO2. Os estudos serão realizados, inicialmente, em laboratório para validar o desempenho, a redução de emissões e a viabilidade. Entre as vantagens da amônia está o fato de que ela permite uma autonomia superior à locomotiva em relação a outros combustíveis que também não emitem carbono. Além disso, a amônia apresenta uma classificação de alta octanagem e uma infraestrutura de distribuição em larga escala já estabelecida. As duas empresas realizarão o estudo em um
laboratório nos próximos dois anos.

Energia Regenerativa

As baterias das locomotivas utilizarão tecnologia e um sistema de Energy Management que permitirão recarregá-las a partir da frenagem do trem. “É o que chamamos de energia regenerativa produzida por frenagem dinâmica. Hoje, essa energia se perde no processo. Nos trechos de descida, em especial, vamos poder recarregar as baterias, sem precisar parar a operação do trem”, explica Alexandre Silva, gerente do Programa Powershift, criado pela Vale para estudar tecnologias alternativas para substituir combustíveis fósseis por fontes limpas nas operações da
empresa.

Com a nova tecnologia, a estimativa é de uma economia de 25 milhões de litros de diesel (1) por ano, considerando o consumo de todas as composições da ferrovia que utilizam o helper dinâmico. Cerca de 63 mil toneladas de carbono deixariam de ser emitidas, o equivalente ao consumo de aproximadamente 14 mil carros de passeio de mil cilindradas
por ano. (2)

“Os avanços tecnológicos em energia de bateria e combustíveis alternativos estão acelerando a jornada de descarbonização das ferrovias”, afirma Danilo Miyasato, presidente e gerente-geral da Wabtec para a América Latina. A abordagem inovadora da Vale na adoção de combustíveis alternativos para suas locomotivas beneficiará seus clientes, acionistas e comunidades. A FLXdrive fornece à Vale produtividade, segurança, economia de combustível e a redução de emissões para operar sua rede ferroviária”, completa o executivo.

1 Foi considerado para o cálculo o uso de Diesel-B15 (15% de biodiesel) no Brasil a partir de 2026.
2 A comparação foi feita a partir da calculadora de equivalência de gases de efeito estufa da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, disponível em https://www.epa.gov/energy/greenhouse-gas-equivalencies-calculator

Net Zero
Em 2020, a Vale anunciou investimento entre US$ 4 bilhões e US$ 6 bilhões para reduzir suas emissões diretas e indiretas (escopos 1 e 2) em
33% até 2030. É mais um passo para atingir o objetivo de zerar as emissões líquidas de carbono até 2050, em linha com a ambição do
Acordo de Paris de limitar o aquecimento global abaixo de 2ºC até o fim do século. A empresa também assumiu o compromisso de reduzir em 15% suas emissões líquidas de sua cadeia de valor (escopo) 3 até 2035.


Marco Braga, chief procurement Officer Vale; André Sivieri, gerente Comercial Wabtec; Daniela Ornelas, VP de produtos Latam Wabtec; Ludmila Nascimento, Energy director Vale; Rogério Mendonça, presidente Freight Equipment Wabtec e Danilo Miyasato, Presidente e Líder regional Latam Wabtec


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalamanhecer.com.br/.