25/05/2023 às 21h04min - Atualizada em 26/05/2023 às 00h00min

Cantor Daniel Peixoto, ícone "queer"da música brasileira, lança álbum

Tropiqueer, no dia 26.05

SALA DA NOTÍCIA Atti Comunicacao
ForMusic
Daniel Peixoto

Daniel Peixoto compartilha 

seu novo álbum TROPIQUEER

Ouça agora


Do Crato, sertão do Ceará para o mundo, Daniel Peixoto que a MTV IGGY chamou de "o príncipe brasileiro do eletro", lança seu terceiro disco solo: TROPIQUEER, que aterrissa no stream no dia 26/5. 

 

TROPIQUEER, alter ego que Peixoto usa para contar e cantar aventuras e desventuras afetivas, é o marinheiro inspirado nas entidades "Marujos", da Umbanda, narrando suas odisséias por diferentes mares e portos, onde deixa sempre um pedaço do seu coração - e outros corações partidos. "Navegar é preciso", brinca Daniel, citando Fernando Pessoa. 

A Umbanda, religião de matriz africana praticada pelo artista, é uma das pautas mais expressivas do álbum, que começa e termina com orações aos orixás. Mas o protagonista absoluto é o amor, seja ele romântico, apaixonado, debochado e engraçado, até aquele que nos faz chorar. 

 

Porém, nada de sofrência ao apertar o play. Com o pop e a música eletrônica na base principal do disco, a tracklist também aciona um mix plural de sonoridades, partindo da música popular do Nordeste, que vai do forró, guitarrada, batucada, lambada e pisadinha, alcançando referências internacionais como House Music e Trip Hop, em efeito original, contemporâneo e cosmopolita. Tropiqueer propõe também o pós-tropicalismo agênero - ou a tropicália gay, numa era onde artistas LGBTQIAP+ ganham caráter de coletivo e consolidam-se na cena musical evidenciando o orgulho de suas identidades, posicionamento com o qual Daniel trabalha desde que fundou sua legendária banda Montage, há 18 anos, em Fortaleza. 

 

O disco traz ainda parcerias com os conterrâneos Silvero Pereira (em "Anjo Querubim"), Di Ferreira ("No Escuro") e Getúlio Abelha na versão de "La Isla Bonita", de Madonna - aliás, na arte da capa, assinada por Fábio Viana com fotografia de Rafael Monteiro, Daniel mira no terreiro mas acerta mesmo é no marinheiro fashion de Jean Paul Gaultier, um dos estilistas prediletos da Rainha do Pop. Em novo dueto com Peixoto, a cantora gaúcha Filipe Catto repete a dose com o amigo na interpretação da poderosa "Postal de Amor", um achado arqueológico da MPB originalmente gravado por Fagner e Ney Matogrosso, em 1975. 

 

Plugado na antropofagia modernista, Tropiqueer finaliza uma trilogia de tropicalbass, iniciada com “Mastigando Humanos” de 2011 e “Massa”, de 2017. O termo é amplamente utilizado nos Estados Unidos e Europa para definir a música eletrônica aliada aos ritmos tropicais e latinos.

 

Em 2011, a MTV IGGY de NYC elegeu “Mastigando Humanos” como o melhor disco de tropicalbass de todos os tempos, concedendo a Daniel o título de "Príncipe brasileiro do electro". 

 

Disponível para stream a partir de sexta-feira,  26/5, o trabalho gravado entre São Paulo e Ceará tem direção musical do próprio Daniel Peixoto, que escreveu 9 das 15 canções, revelando-se um artista mais maduro sem perder a essência e irreverência dos tempos na proa da Montage, pioneira da Queer Music no Brasil que fez história. E transbordou oceanos.


 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalamanhecer.com.br/.