23/06/2023 às 15h10min - Atualizada em 25/06/2023 às 00h00min

Livro sobre jogadores e times de Minas Gerais em Copas do Mundo é reeditado para o grande público

​​A 1ª edição de “Mineiros na Copa” foi originalmente produzida em 2015 com recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura. A 2ª edição, revista e atualizada, é uma iniciativa comercial independente para recolocar o livro novamente à disposição do público.

SALA DA NOTÍCIA EFeditores Conteúdo
http://www.efeditores.com.br
Divulgação

O Brasil levou 64 anos para ter a coragem de sediar uma nova copa do mundo de futebol. O trauma da derrota para o Uruguai na final da Copa do Mundo de 1950 em pleno Maracanã forjou gerações de jogadores, analistas esportivos e torcedores durante décadas. Mesmo que depois desse evento, o Brasil tivesse vencido cinco copas e se tornado "o país do futebol", a simples menção do Maracanaço fazia qualquer um tremer. Quando a escolha da sede foi oficializada, a tabela da seleção brasileira foi cuidadosamente calculada. O Brasil seria uma das seleções que menos quilômetros percorreria entre um jogo e outro e, mais importante, somente jogaria no Maracanã se chegasse à final da Copa do Mundo.

7 a 1: a derrota do Brasil para a Alemanha em Belo Horizonte ficou marcada na história das Copas do Mundo e ganhou o apelido de "Mineiraço"

7 a 1: a derrota do Brasil para a Alemanha em Belo Horizonte ficou marcada na história das Copas do Mundo e ganhou o apelido de "Mineiraço"

Tudo corria bem até a seleção brasileira chegar à semifinal que seria jogada no estádio Mineirão, especialmente reformado para o evento, em Belo Horizonte. Hoje, sabemos que os 2 a 1 contra os uruguaios foi um resultado menor perto do que aconteceu na capital mineira. 7 a 1 para a Alemanha na maior derrota brasileira em todos os tempos da competição. Desde então, os brasileiros nunca mais recuperaram o mesmo brilho anterior a este jogo durante uma copa do mundo.

O livro "Mineiros na Copa – Da primeira participação ao Mineiraço" é resultado de uma ampla pesquisa em acervos físicos e eletrônicos de revistas, jornais e bibliotecas do país. Neste livro, você conhecerá quais foram os profissionais – entre jogadores, técnicos, integrantes das comissões técnicas e juízes – que ultrapassaram as barreiras regionais e ajudaram a construir a história da Seleção Brasileira nas Copas do Mundo. Em vinte Copas, realizadas em cinco continentes, foram mais de quarenta profissionais. Com suas vitórias e derrotas, erros e acertos, eles ajudaram a consolidar o futebol mineiro dentro do Brasil e o futebol brasileiro mundo afora

Além dos mineiros natos, a obra apresenta também aqueles que foram convocados por se destacarem em times de Minas, mesmo tendo nascido em outros lugares. Estão incluídos neste livro, ainda, os estrangeiros que foram a uma Copa por outra Seleção, mas foram convocados enquanto jogavam em um clube do estado. O livro também traz histórias curiosas sobre quem foi o primeiro jogador mineiro numa copa, como Pelé recebeu seu apelido que o eternizou, quais foram os técnicos que representaram o estado, quem foi o único mineiro a levantar a taça como campeão e criar o gesto que foi repetido por todos os jogadores mundo afora.

"A ideia de escrever 'Mineiros na Copa' veio de uma pergunta que me fizeram: quais jogadores mineiros e de times mineiros jogaram o torneio? Eu não tinha a resposta. Quando fui pesquisar vi que ninguém tinha essa resposta e que jogadores como Perácio, Mauro Ramos, Pelé, Tostão, Cerezo faziam dessa resposta uma questão muito relevante. O livro então começou a nascer, mas ninguém esperava que um Mineiraço fosse eternizar o evento em Minas Gerais", explica o escritor Eduardo Ferrari. A ideia do também jornalista é dar prosseguimento à série em futuros eventos da Copa do Mundo com o registro de jogadores e times de outros estados relevantes como Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Rio Grande do Sul.

Sobre o autor – Eduardo Ferrari tem mais de 25 anos de experiência em comunicação corporativa, assessoria de imprensa e livros. Nesse período, atuou em empresas multinacionais e de grande porte como Embraco, Telemig Celular (atual Vivo), BrasilPrev, Vale e Banco Bonsucesso, sempre na coordenação das áreas de imprensa e como especialista na produção de eventos corporativos voltados para a mídia, comunidade e investidores. Seus livros também têm sido elogiados pela crítica especializada em temas tão diversos como esportes, comportamento, histórias reais e ficção científica.

Além de Mineiros na Copa, Eduardo Ferrari é autor de vários livros, entre eles a trilogia infanto juvenil Elétrico; que conta com as obras Elétrico, Distraído e Falante, da trilogia espacial Terráqueos, com mais dois livros Robóticos e Extraterrestres, da obra autobiográfica Explosivo e da aventura pré-histórica Zumanos. Criou em 2019 a EFeditores Conteúdo com o objetivo de auxiliar novos autores na autopublicação de seus livros, que por meio da parceria com a Literare Books International, garante ampla distribuição física e on-line em livrarias do Brasil e do exterior.

SERVIÇO:
Livro: Mineiros na Copa
Subtítulo: Da primeira participação ao Mineiraço
Autor: Eduardo Ferrari
Formato: 23 cm altura x 17 cm largura (brochura) com 236 páginas
Editoras: EFeditores e Literare Books (selo "Escritores")
Disponível: junho de 2023
https://amzn.to/3NmPaSr  R$ 63,90 (impresso)
https://amzn.to/43TE6U0 R$ 49,90 (e-book)

FALE COM O AUTOR:
Eduardo Ferrari
http://www.instagram.com/eduardoferrari_
https://youtu.be/zNcNyqtpW8I

http://wa.me/5511991499040


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalamanhecer.com.br/.