10/06/2024 às 10h27min - Atualizada em 10/06/2024 às 16h02min

Junho Violeta: diagnóstico precoce pode estabilizar doença na córnea

Coceira ocular e grau de miopia e astigmatismo elevados são os principais indícios do ceratocone

ALINE LOURENçO
Divulgação
Segundo o Conselho Brasileiros de Oftalmologia (CBO), a cada 100 mil pessoas no mundo, de 4 a 600 desenvolvem ceratocone, uma doença degenerativa que causa uma alteração no formato e espessura da córnea. “Idealmente a córnea deve apresentar uma característica mais "arredondada" e regular para que a luz adentre os nossos olhos de maneira organizada e nos traga boa visão. No portador de ceratocone a córnea apresenta um formato prolado, que gera irregularidade na entrada da luz aos olhos, o que traz o embaçamento visual”, explica Leonardo Coelho Gontijo, oftalmologista do Instituto de Olhos Minas Gerais, especialista em córnea.
 
De acordo com o oftalmologista, as manifestações iniciais são sutis – coceira ocular e grau de miopia e astigmatismo elevados –, e podem ser prescritos óculos sem que seja dada a devida atenção aos sinais da doença. “Muitas vezes o ceratocone é diagnosticado em um momento tardio, quando muitas sequelas já estão instauradas. O momento correto da detecção é fundamental para que possamos estabilizar a doença o quanto antes, por isso é fundamental manter consultas regulares”, alerta.
 
O ceratocone exige diferentes modalidades de tratamento de acordo com o tipo de irregularidade induzida em cada olho afetado. “Diante de um diagnóstico em menores de 18 anos ou da detecção de doença em progressão, é indicado o crosslinking. Trata-se de uma cirurgia minimamente invasiva, com o intuito de estabilizar a doença”, informa.
 
Para casos leves e moderados, Leonardo Coelho Gontijo explica que existem lentes de contato especiais, que se apoiam na esclera ou na córnea, e para níveis leves ou moderados, podem ser indicados o implante de anel intracorneano. “Somente em casos severos o transplante de córnea pode ser uma alternativa, mas ele tem sido empregado cada vez menos e como última opção, quando nenhuma das técnicas anteriores solucionaram o problema”, finaliza.
 
 
 

Notícia distribuída pela saladanoticia.com.br. A Plataforma e Veículo não são responsáveis pelo conteúdo publicado, estes são assumidos pelo Autor(a):
Aline Beatriz Batista Lourenço
[email protected]


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalamanhecer.com.br/.